Tá Perdido? Pergunta, sô.

sábado, 29 de maio de 2010

Eu gosto é de dinheiro!

http://1.bp.blogspot.com/_YYwmFAEvpmU/SUlUNj_b8AI/AAAAAAAABY8/SR959RtvOUk/s400/sirigueijo.JPG




http://bizinformation.org/us/www.butecodesegunda.blogspot.com

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Of Wolf and Men


Estava lembrando esses dias, guiado obviamente pelo clima de Copa do Mundo, de quando decidiram que a Copa de 2014 seria no Brasil. Lembro que à época, fiquei meio confuso. A parte sempre criança que ostenta minha Síndrome de Peter Pan festejava e soltava fogos de artifício. Meu lado Wannabe Charlie Brown dizia: "que puxa, em 2014 eu já vou ter passado dos 30... ".

Pois é, caros amigos. Estamos quase lá. Esse ano faço 30 - 1. O tempo em que pensei nisso durou pouca coisa mais do que o tempo de um cigarro, mas foi um enorme alívio. Posso falar? Nada mudou. Ou eu já nasci velho, ou continuo o mesmo idiota de sempre. Oh, wait! Tem um lado positivo nisso? Tem! Se nada mudou, poderia dizer certamente que, por mais que se passem os anos, a essência é sempre a mesma (merda). O que muda um pouco é o peso que certas coisas começam a ter na sua vida.

Tenho que pensar nisso, já que estou no meio de atravessar um rito de passagem que poderia (e foi) bastante traumático. E não, não disse dramático, triste, ou qualquer outra coisa depreciativa. É traumático no sentido freudiano, aquele que ou te empurra pra frente ou te lança no abismo. Obviamente, esse me catapultou pro mundo adulto definitivo. Praticamente sem a chance de voltar. Veio antes do que eu esperava, antes de eu gritar "já!", antes. Mas na hora que deveria acontecer. É verdade, foi um direto de direita na cara. Sem luvas, sem proteção e bem no soar do gongo. Me pegou desprevenido. Mas eu respirei, me entristeci, respirei, tive ódio, respirei, neguei, respirei, pirei, respirei, chorei, respirei, deprimi, respirei, refleti melhor e... "tá bom." foi tudo o que eu consegui tirar de lição. Olhando o âmbito geral, "eu vi que era bom" (com todo o respeito. ;) ).

Quando digo trauma, digo que senti uma das minhas pernas sendo substituída por uma prótese de vidro. Você passa 10 anos num lugar, e na maioria do tempo tudo o que você pensa é "ah, um dia vou sair dessa merda!". Quando acontece de fato... bilhões de dúvidas, medo, tensão e outras somatizações fazem você parecer uma criancinha no primeiro dia na escola. "Será que minha mãe não quer mais que eu fique por perto? Depois de tudo, é assim? Por que? O que eu fiz de errado?" E nada. Da forma que aconteceu comigo, essa escola pra onde estou indo vai me fazer crescer e desenvolver. Por isso vi tantas similaridades. E, depois do trauma inicial, devo assumir que estou gostando. Principalmente agora que chegou minha mesa grande, irada!

Algumas pessoas já disseram que meus posts parecem o filme do Mel Gibson, que eles vão numa crescente até um final triunfante, com música de vitória e a flâmula americana tremulando, fazendo o público chorar. Não, ninguém chora com meus posts, mas vocês pegaram a idéia. Ainda não entendi se isso é positivo ou não, tento me policiar, mas é assim que é. Não gosto de filmes sem final, e muito menos de finais tristes. Então, quando escrevo, gosto de ter em mente que meu texto pode mudar a vida de uma drosophila. Caso alguém esteja lendo-o ao invés de ir comer uma banana e deparar-se com o indefeso e quase acéfalo animal.

Ontem e hoje foram dias que passei integralmente no meu próprio (e do Bruno, é claro) escritório, saboreando a rotina de dois dias normais. Dias com problemas, com soluções, com risadas, com minha mesa irada nova. Deu mais coragem. Deu um jeitão de que vai dar certo! Deu pra notar que as coisas vão continuar acontecendo. E deu pra sentir pela primeira vez que estou à frente de um grande, um gigante, um inexplicavelmente dantesco empreendimento.

Um conjunto num prédio velho do centro de São Paulo. Alguns móveis doados, outros comprados. Três pessoas marchando rumo ao desconhecido. Valentes, austeros, de bom humor. É só mais um escritório de contabilidade como tantos outros, mas esse tem uma coisinha diferente: tem cheirinho de limão. E, como se diz por aí, "only the lemmon matters". E o resto é resto.

De todas as coisas que não mudam, temos mais uma Copa do Mundo chegando em breve. Estarei lá, no meu sofá predileto, na sala de casa, acompanhando todas as emoções que somente o futebol internacional traz pra você. Aguardando ansiosamente pelo clássico Nova Zelandia e Suiça. Vamos abraçar mais essa! Discuto muito futebol, racionalmente acho que fica entre a Holanda e a Espanha. Mas.. na prática.... *sei la quantos milhões em ação, pra frente Brasil, saaaalve a seleçãããão!!* VAMO BRASIL!!!! BRASIL-IL-IL-IL-IL!!!

segunda-feira, 17 de maio de 2010