Tá Perdido? Pergunta, sô.

sábado, 25 de dezembro de 2010

Closing Time


Vai acabar que esse post vai ser redundante. Todas as coisas importantes e relevantes que aconteceram comigo, estão distribuídas nos 12 meses desse ano que agora pode oficialmente terminar. Porque já passou o especial do Roberto Carlos.

Então resolvi confidenciar pequenices com vocês, que ocorreram comigo durante esse ano.

Em 2010...
  • Eu amei a ponto de me perder de mim. Mas me encontrei no fim, sendo capaz de amar novamente, até me perder de mim novamente. Mas me encontrei no fim, sendo (.....)
  • Escondi tão bem meus brinquedos, que nunca mais achei. De tanto olhar pra fora eu nem me lembrei mais se havia alguém aqui, dentro de mim... (música do Sérgio Oliveira)
  • Interagi e convivi além do que o limite permite, e quase enlouqueci. Contudo, experimentei uma solidão ensurdecedora, a ponto de não conseguir identificar o que era solidão e o que era cegueira temporária.
  • Fui capaz de certas coisas que nunca havia feito antes. Omelete, por exemplo.
  • Continuei duvidando muito mais do meu potencial, e aumentei exponencialmente o desejo de viver a vida conforme as pessoas acham que eu vivo. Nem tão difícil quanto eu acredito ser, nem tão saborosa a ponto de despertar inveja. Minha vida é a vida, e vice-versa (Alexandre G.F.).
  • Eu criei um pouco de juízo, mas ainda não sei o que esse diabo come.
  • Eu mobiliei uma casa sozinho, do meu jeito, com meus recursos e todos estão vivos e saudáveis. E durmo em cima de muitos, muitos fios. Não porque eu sabia o que era isso, mas porque me falaram que era assim que se devia fazer.
  • Eu gastei muito tempo vendo futebol, e mais tempo ainda escrevendo sobre ele. E então descobri que seria um ótimo cronista esportivo. 2014, me aguarde!
Basicamente, foi um ano cheio de separações e despedidas. Houveram alguns momentos que são meus, e não vou dividi-los com ninguém. A vida é repleta de pequenas porções de acontecimentos que, somados, a tornam possível, alegre ou triste, melancólica ou eufórica, leste ou oeste. A minha vida publicável está aqui para deleite de todos. A parte oculta fica aqui dentro, me ensinando, machucando, inspirando ou não. Fica para meu desenvolvimento cognitivo ou prático, serve de alimento para a continuidade do meu ser.

Que em 2011, cada um encontre seu caminho certo, que todas vossas decisões saiam acertadas e de acordo com o grande plano de quem as concebeu. Que vocês encontrem a alegria e a paz, que saibam de seus destinos com antecedência, que façam o melhor que puderem a cada dia. Que corram atrás dos seus sonhos, que tenham sonhos! E que sejam, absolutamente, gradualmente, infinitamente, felizes. A mim, cabe agradecer a vocês. Por estarem ao meu lado, ou por não estarem ao meu lado, me ensinando que o que vem primeiro, vem primeiro. A mim, resta demonstrar, efulsivamente, que considero vocês pra caralho (não tem expressão melhor do que isso para demonstrar... desculpem), e que minha vida seria pela metade sem vocês. Obrigado, feliz ano novo!

"Closing time, every new beginning comes from some other beginning´s end..."

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Buteco de Natal



A todos os que acompanharam nossas besteiras no decorrer do ano, reservamos uma surpresa !!

Os primeiros 10 leitores que ligarem para o Yellow dizendo "Chupa!!" da meia-noite até as três da manhã do dia 24, ganharão uma colonoscopia, inteiramente grátis !! É, é isso mesmo !!!

Se alguém precisar do número do telefone dele, favor solicitar nos comentários.

Feliz Natal a todos !!

Nos veremos (pouco) em 2011 !!!

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Campeonato Mundial


Internacional, you're doing it wrong!

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Força Guarani !!


Domingo é dia !!!

- Mala branca, pode Arnaldo?
- Pode, pode, por que não?

terça-feira, 23 de novembro de 2010

A Day in The Life


Costumeiramente, como em diversas outras semanas, segunda-feira é um dia odiável. Deprimente, lerdo, inconsistente, inviável, insuportável. E assim estava o dia de ontem. Cheio de suas segundices, com previsão de muita chuva. Acordei e fui deixar o carro na funilaria, e caminhei até o escritório, para mais um dia de labuta. Tudo parecia corriqueiramente comum.

Recebemos a visita ilustre de um dos mais antigos clientes, conversamos bastante, fizemos negócios e seguimos adiante. Havia uma reunião marcada, e o tempo prometia efervescer. Por isso, resolvemos nos dar de presente uma passagem de ida-e-volta de taxi até a reunião ao invés de irmos de moto. E vimos que foi bom. A reunião foi interessante, conversamos bastante, quando recebi uma ligação que parecia não ser importante. Por isso, nem permiti que meu amigo falasse e disse "ligo daqui a pouco de volta". Então recebi uma mensagem, mas demorei a ver. A reunião terminou, peguei o telefone e fui ler a mensagem. "Tem um ingresso sobrando. Se quiser é seu".

Comentei com o Bruno, ele desdenhou. Liguei pro meu amigo, e ele disse "o ingresso esta lá, se quiser é só buscar e ir". Parece que uma amiga da mãe do meu amigo não poderia ir ao show. E eles resolveram me presentear com isso. Ah, como o post vai ficar pra posteridade: o show em questão é do PAUL McCARTNEY!!!!!!!!! Sim, o antológico Beatle. Do taxi mesmo mandei um moto boy retirar o convite. Já chovia muito na cidade, e o trânsito escatológico chegava a recordes na cidade! Mais de 200 km!

O ingresso chegou em minhas mãos, e então pedi pra minha querida amiga-hermanita pra me dar uma caroninha até lá, mesmo ciente da crueldade de tal pedido. Mas ela que é iluminada e especial aceitou me levar ao estádio! Enfrentando milhares de quilometros de tráfego pesado, chuva, muita chuva. O show começava às 21:30. Saímos do centro às 19:30. No dia de congestionamento recorde na América Latina e seus afluentes. Não sei de onde minha amiga tirou energia e sapiência para fazer os caminhos mais malandros que já se viu na história desse país. A única coisa que sei, é que cheguei no estádio às 21:30. Pontualmente, como um bom expectador inglês.

E meu amigo com sua mãe pegaram os melhores lugares da história de shows na vida. Estávamos na arquibancada. Mas eles pegaram um lugar na primeira fila. Ninguém à nossa frente. Nada, apenas aquele palco, aquela visão... e então apagaram-se as luzes e... a chuva cessou. Dizem que Sir Paul olhou torto pro céu, e então parou de chover. E vocês não acreditam em poderes paranormais do grandes astros do rock, não é? hum.

Quando vi Paul subindo ao palco, não enxerguei nada. Mas então ligaram o telão em raidefinixiu, que ficava bem à minha frente. Nada me separava do telão. E ao ver a imagem de Paul McCartney com suas caras e bocas, com sua simpatia intrigante, com seu português quase sem sotaque, com suas brincadeiras.... com aquelas músicas que enlouqueciam meus pais, que emputeciam meus avós, quando me dei conta de aonde eu estava, fiquei hipnotizado. Estava lá eu, frente a frente com um Beatle. Vendo-o pular como um menino, apesar de seus 68 anos de idade. Vendo-o cantar com garra, fazer questão de entreter o público e agradecer sinceramente à presença e o calor que o público passava. Isso sem perder o bom-humor irônico. Algo como o Silvio Santos faz, mas num outro nível, ?

A única coisa que sei é que fiquei por 3 horas vendo o show dos Beatles. E pensando que meu pai iria pirar se estivesse lá. Pra minha mãe eu liguei enquanto Paul dedilhava seu violão e cantava Black Bird. E ela estava muito emocionada! Não fumei sequer um cigarro, bebi apenas 1 cerveja (porque estava com sede!). Mas a sensação é que não me faltava nada. A nicotina se resolvia com All My Loving, e a emriaguez ficou por conta dos fogos de artifício de Live and Let Die. E todas as emoções juntas do mundo, quando Paul fez a homenagem a George Harrison, tocando Something. Emocionante, empolgante, inesquecível. Só mais uma segunda-feira chuvosa de caos e atropelamentos. Que eu não vou esquecer na minha vida inteira (In My Life). Quer seja pelos meus amigos (I get by with a little help from my friends), que são os melhores da vida ou pelo show inacreditável de Sir Paul McCartney. E o post está gigante, mas ainda faltam palavras pra descrever como foi toda essa Epopéia de Segunda. Epopéia, sabe? Numa Segunda de chuva.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Sobre Amigos e o Tempo


Acordei hoje cansado, como sempre. Vítima do meu moleque interior, aquele que acha que dormir mais tarde é um benefício inindisfrutável. No meio dos dorme-acordas da manhã, aquelas de sempre em que brigo com o despertador, hoje eu ganhei de muito. Não sei a que horas, dei tamanho tapa no coitado que ele caiu no chão (chupa!). E não funcionou mais, o que fez com que eu chegasse atrasado no serviço (mas eu sou dono do meu nariz, então que se danem as convenções. Principalmente as coletivas. Eca!).

E aí que passei um fim de semana totalmente excelente e nostálgico. Na sexta feira, tive o imenso prazer de receber em casa a turminha do mal (ou do barzinho Matrix, do seu madruga, como preferirem) que estudou comigo no Senac. Sim, nos formamos contadores todos juntos. Mas apenas eu e o Bruno seguimos nesse rumo, já que o André foi virar engenheiro florestal nas amazonias, e o oto Daniel foi virar artista de TV. Ou qualquer outra coisa do tipo. Sei que ele trabalha com televisão, então deve ser artista.

A gente anda tomando esse costume sagrado de se encontrar anualmente, quando o André vem pra São Paulo visitar a família. E cara... que engraçado! Muito, muito engraçado! Existe uma pequena chance de eu ser expulso do prédio tamanho era o barulho das gargalhadas. E bate o pé no chão. E toma cerveja, e come pizza com a mão. E se lembra das mesmas velhas piadas obrigatórias, que tem a ver com e-mail, cera quente, e outras coisas que não devem fazer o menor sentido para a maioria. Mas para nós? Simplesmente engraçado. Só notei que eles foram embora mesmo quando arrancaram em seus carros, porque mesmo após sua saída, ainda reverberava o barulho e as gargalhadas (eram eles rindo alto lá da rua...).

Isso foi na sexta. No sábado, muito, muito feliz porque descobri que a gambiarra do encanador deu certo, e minha cozinha não ficará mais alagada! Meu irmão apareceu lá em casa, e fomos pra casa da minha irmã, junto com minha mãe. Família é irado! Belo almoço! E após, todos foram dormir, mainha foi embora e fiquei conversando com minha irmã. Fazia tempos que a gente não conversava. Depois, cafezinho com maninho, e fui dar um descansão. Tinha um casamento pra ir no sábado.

Casamento de uma amiga da época do Mackenzie, antes ainda do Senac. Faz tempo, hein? E como é bom, e que legal reencontrar aquela turminha do mal (ou do Azaléia, como queiram). Sempre, sempre, tão divertido! Tão engraçado! E que casamento lindo! Tudo iraaado! Mesmo, mesmo.

E ainda deu tempo de ir visitar outros amigos que já saíram do meu ex-trampo. Tomar um café, uma breja, e ver o Corinthians ganhar (chupa, Bruno!). E de falar com amigas e amigos antigos e novos, que no final da conta, tem o mesmo valor. Talvez seja eu mesmo. Não acredito que eu seja tão legal quanto eu pareço ser, mas meus amigos, esses sim, são todos especiais. Cada um a sua maneira, cada um tem o seu espaço. E sabendo-se respeitar o espaço e os agrados e desagrados de todas as pessoas, você mantém contato com todo mundo, o tempo todo. E isso não é importante. Você pode passar bem a vida inteira com um amigo, com a família, ou sozinho. Cada um que ache a sua felicidade como bem entender, não existe fórmula para isso. A minha? É que, mesmo quando estou sozinho, eu nunca estou. E mesmo quando acreditem que esqueci de vocês, eu não esqueci. E por mais que eu ande no vale da morte, eu...oh, wait! Isso é outra coisa, né? :p

Amigos, amigas, famílios, famílias: je vous aime. Beijos, me twitem.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Sob Nova Direção


Então tá bom. Agora já faz uns 2 meses que estou morando só. Só eu só, só eu. Nesse tempo, já deu tempo de sacar um monte de coisas. Entre elas, que eu sou um dos principais culpados pela fome na África, porque tudo aqui acaba estragando. Descobri também que a o skype é a ferramenta mais importante que existe na condição de living alone. Porque, embora vivendo sozinho, nunca estou sozinho de fato, embora ainda esteja. É, eu sei, parece confuso no início, mas depois a gente se acostuma com pixels e eles viram grandes amigos. Não preciso nem sair de casa pra tomar uma com os amigos, rever a família e botar a conversa em dia com amigas queridas.

Descobri também que sou um viciado dos infernos, e toda vez que chego ligo o computador e todas as espécies de mensagens online que existem na terra. Mas porque é divertido. Fui contemplado também, após todos esses anos, com uma antena que oferece MTV de qualidade. E por deus, como eu assisto MTV agora! Todos os dias! Até acompanho o site pra ver qual o próximo programa. E sem precisar de Bombril!

Falando nisso, também descobri que sou obsessivo compulsivo, e que fico lavando a louça loucamente. Não que isso seja negativo, já que quanto mais eu lavo, menos tem coisas pra lavar. Falando em lavar, você que me acompanha também em flashes diretos pelo facebook, já sabe que estou com um vazamento fela da puta toda vez que lavo roupa, e olha que eu nem lavo muito. E lavo menos ainda pra não ter que ficar secando a cozinha por mais 3 dias. Inferno! Vende-se máquina de lavar, vou lavar aqui no prédio mesmo.

Descobri também a delícia de receber gente aqui em casa, e finalmente acabei descobrindo "o que os anfitriões fazem quando todos vão embora". Eles sentam e choram. Mentira, eles lavam a louça. Eu lavo, pelo menos. Vide parágrafo anterior. E cada vez mais vou tornando esse pequeno lugar num santuário lotado de manias, métodos e outras cositas mais. A Fátima vem aqui a cada 2 semanas dar uma geral, porque não dá tempo e dá muita preguiça de ficar limpando, e é sempre melhor deixar isso para as profissionais.

Outra coisa bacana que ando reparando nas casas de outras pessoas e achando graça, são os substantivos que acompanham as louças e outros utensílios da casa. Pano de chão? Prato de sobremesa? Faca de manteiga ou de pão? Taça de vinho? Aqui em casa temos algumas modalidades. O pano que está seco, a faca que está lavada, o copo grande e o copo pequeno. E pronto, acabou. Com isso, descobri que não acaba nunca a lista de coisas pequenas que ainda falta comprar. Mas já comprei o saca-rolhas. Toda vez que vou no mercado, acabo comprando alguma coisa nova pra casa.

Falando nisso, mercado virou um apêndice da minha casa. Diria que nesses meses já fui mais ao mercado do que à balada. E até que é divertido, fico brincando de descobrir qual é o melhor e talz. Por exemplo, embora tenha deixado minha perna direita (a calça não foi suficiente) no Corcovado (nomes alterados), eles tem produtos irados pra quem mora sozinho. Convenientemente pequenos, de modo que não estraguem. Mas descobri que é melhor jogar fora pagando barato do que ficar devendo 14 meses de aluguel apenas para não desperdiçar mantimentos (seu Barriga curtiu isso).

Mas o principal dessa experiência, é a experiência em si. É saber que as coisas não se fazem sozinhas, e ter a independência total. Cortar o cordão umbilical, e ligar pra casa de mainha porque dá vontade de ligar. E ir visitar porque tenho saudades. E conversar com meus irmãos porque, no final das contas, é bem aquilo que temos. E chegar em casa do trabalho, ligar o skype, falar com o amigo que já tem mais experiência nisso, e ele te ensinar a fazer uma omelete online. E fazer, e descobrir que cozinhar deixa uma zona danada no fogão. Mas fica maior gostoso! Ainda mais com os ovos que venciam logo mais, de forma que a África não sofra com a minha displicência. E, depois de tudo isso, assistir televisão, MTV, tomar uma breja, fumar um cigarro e se preparar pra dormir, pois amanhã temos mais um longo dia pela frente. E eu? Eu estou tirando de letra, merrmão!! Eu sou siniashtro, não tinham te avisado?! ;)

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Eu, Mesário


Sim, tivemos ontem mais uma grande festa da manifestação de satisfação ou não do público eleitoral brasileiro. Cujo resultado não poderia ser mais espalhafatoso. Independente das vitórias da democracia, da razão, dos palhaços - que finalmente terão um representante da classe no Congresso, já que o Carequinha e o Espirro nunca conseguiram se eleger.

E eu, participante apolítico ativo dessa festa, fui chamado para a minha última grande contribuição para o Brasil Varonil-il-il. Mesário novamente. Pela quinta e útima vez. Ou assim espero. Nessas circunstâncias, eu era tipo o papa do mesariado brasileiro. As fiscais entravam na sala e pediam pra eu ir instruir o pessoal das outras sessões. Pra dar uma força aqui e ali, e em sendo minha última vez, confesso que gostei do status de "tiozinho que sabe tudo". E era tiozinho mesmo. Na minha sessão, sempre legal reencontrar amigos libertados indo, votando e partindo. E alguns remanescentes, e mais jovens pobre-coitados que foram aclamados com o grande poder de conscientizar a população.

Nunca serei presidente de direito, mas sou presidente de fato naquela sessão. Estipulo os horários de almoço, a logística de funcionamento e o andamento da sessão. Não houve filas enormes na minha sessão (sorte). Mas quando houve, não me desesperei. Até porque, isso não muda nada. Meu dia estava perdido, e o que são 5 minutos a mais para que ama o Brasil de verdade? E algumas pessoas votam demoradamente, o que inutiliza qualquer tentativa de agilizar o movimento.

Assessorei os eleitores confusos, de modo que toda a democracia pudesse ser estabelecida. Por exemplo, como 40% dos meus eleitores não tem idéia do que significa "senador" e "3 dígitos", ensinei por diversos momentos como votar em branco (porque o conceito de anular o voto é extremamente complicado). Se ao menos me perguntassem o número de algum candidato, eu poderia ajudar. Mas não, eles só queriam votar pra presidente. E isso demora. Alguns se revoltaram com o fato de ter que votar pra tanta gente. Mas no fim, tudo deu certo.

Além disso, a mesma velha de sempre, que sempre traz biscoitos estragados pra nos presentear, dessa vez, acho que não tinha nada vencido. E pediu desculpas por isso. Sua velha nojenta! Um outro velho, este um lord, vem sempre no início da manhã. Traz consigo conselhos excelentes, marcas de uma vida solitária e amargurada. Não consegue ver um jovem (o outro mesário, não eu. Eu sou t-i-o-z-i-n-h-o!) e não dar conselhos da vida. Você deve manter alicerces firmes, a Prece, a Família, mimimi. Disse que leu uma reportagem sobre a Rússia, onde não existe mais nenhum casamento. Só tem gays e lésbicas... "ninguém mais procria (sic)". Disse para que ele achasse uma garota recatada e se casasse, apontando para a presidente da sessão (que riu o dia inteiro disso, do fato de ela parecer recatada para o seu Paulo). Uma aula de solidão. "Tenha filhos, meu filho. Para que você não passe uma velhice tão solitária". CRASH. E foi-se.

No fim do dia, com toda minha experiência, a mesma do Toninho Cerezo jogando no São Paulo em 1993, mandei a mesária novata ficar na fila quando eram jogados redondos 16:45. Às 17:00 tocou a sineta. Às 17:03 encerrei a ata, mandei imprimir as quinhentas vias de enésimas da urna, tirei o disquete, todo mundo assinou tudo, e às 17:08 éramos os primeiros da fila para entregar a urna e os documentos. Os pobre-coitados que não tem essa experiência devem ter ficado lá até as 19:00. Sono molto superiori!

E assim fomos todos embora, e eu cheguei em casa às 17:20. Fácil assim, simples assim. Mais tranquilo do que eu imaginava assim. Todos com aquele desejo íntimo de que não houvesse segundo turno, não porque tenhamos qualquer pretensão de que o Brasil melhore de vez. Egoisticamente, assim como todo mundo, só queríamos água pra beber (água, sei), comida pra comer e domingo pra descansar. Mas esse eleitorado fanfarrão brasileiro tinha que me tirar mais um dia, não é? Seus baderneiros!

E pra finalizar, a sessão "vendo o lado cheio do copo" pro segundo turno:

  1. Depois de tanta ladainha, quem vai decidir o futuro do Brasil, de fato, é a Marina. Boa Marina!
  2. Aquela velha dos infernos vai poder se desfazer das empadinhas de 1989 que ela guarda para momentos eleitorais decisivos;
  3. Vou rever a galera da sessão mais uma vez;
  4. Vamos torcer para ver se a D. Pirosca (sim, é isso aí mesmo) finalmente vai às urnas;
  5. Mais pessoas irão desfrutar do gozo de folga de mais 2 dias (eu não, é claro);
  6. Mais R$ 20,00 (cash) na minha mão! É, o tribunal tá gashtaaaaando (como diria o lendário Sr. Salomão).
Depois eu conto como foi. Grande abraço, e votem com cuidado e atenção. O número do Monteiro Lobato é 99. N-O-V-E-N-T-A-E-N-O-V-E!!!!!!

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Sign of the Times


É como já reclamava a Elis Regina Caput Belchior. Que a dor dela era perceber que apesar de termos feito tudo, tudo, tudo, tudo que fizemos... ainda somos os mesmos, e vivemos como nossos pais. Couldn´t agree with them more.

Nesse sábado estávamos num barzinho, cujo objetivo era reunir pra galera distribuir os convites do casamento, que sim, eles irão se casar (como nossos pais). No meio de tudo isso, uma moça cantarolava canções não-muito-modernas. E nós aprovamos isso, porque a geração da minha idade que cresceu na década de 90, curte isso. Músicas da década de 90. E da de 80, porque éramos crianças, mas já tínhamos ouvidos.

E aí por esse arredores, conversamos sobre o VMB, que passou há alguns dias. E que teve 5 prêmios para o Restart. Que são uns moleques franzinos e feios que se vestem mal pagarai e cantam igual mariquinhas. E eles ganharam os prêmios com eleições democráticas, já que é tudo pela Internet. É, aparentemente, é disso que o povo gosta (na minha época era de gols, mas enfim...). E aí haviam também apresentações ao vivo, até uma atração internacional. "Ok Go". Já ouviu falar? Eu não. E ainda disseram que era um dos clipes mais legais do ano. Aí eu procurei no youtube e vi que eles ficavam fazendo acrobacias em esteiras rolantes em diferentes posições. Sei lá, quando eu gostava muito de clip achava legal os do Guns, que contavam micro-epopéias. Ou as estranhezas do Soundgarden, ou algo assim. Mas não, agora tudo tem que ser fitness. (vão pros infernos!).

E aí, falando sobre isso, me lembrei de uma outra listagem bacana, do TOP 40 das paradas da Bilboard desde sempre. Então, peguei a partir dos 90´s, que é minha época. Conhecia tudo! Tenho os discos, gravei fitas com essas músicas. Tudo, tudo, tudo, até 2002. Eu conhecia tudo. De repente, aparecia alguma coisa do U2... Papa Roach... ér... de repente, eu que sempre sabia de tudo, não conhecia mais nada. Nos anos 90, a Bilboard só tinha Rock and Roll. Depois virou tudo dance and Black. Culpa do Timbaland. E culpa minha. Mas, principalmente, culpa do MP3.

Muita coisa que eu conheço e gosto, conheci ouvindo a 89, a 97, a Brasil 2000. Sim, todas eram rádios de rock. Mas principalmente eu conheci na MTV. Haviam programas diariamente que passavam clipes na emissora, acredita? Eu ligava pro Disk MTV! Eu pirava no Teleguiado do Cazé (tanto que fui entrevistá-lo pro jornal da escola. Sou famoso, me amem). E conheci um monte de coisas. Outros amigos me mostraram coisas que não passam muito na TV, como o Metal. E eu aprovei e absorvi o metal. E, de repente, veio o MP3, e todas as rádios viraram a casaca... e eu parei de ouvir rádio. Quando ouço, é a Kiss que só toca clássicos. Nada novo. Então, eu parei de conhecer coisas novas. A última banda que ouvi na rádio e que virei fã, foi o System of a Down (lá por 2003). E depois disso... muito, muito pouco. Stereophonics graças ao Winning Eleven e... e... e... Nada mais. Mesmo. Ou eu me fechei pra conhecer e gostar de coisas novas, ou isso é uma coisa cíclica mesmo.

Quando eu ouvia Maiden no quarto, meu pai brincava e dizia que " o menino aí deve estar com uma baita dor de barriga, ? Olha como urra...". Eu ficava puto. Parecia que tinha xingado minha mãe. Talvez seja isso que sinta um jovem quando ler o que escrevi sobre o Restart. Ou talvez não. Mas meu pai gostava de umas rockeiras! Creedence, Beatles... essas coisas atemporais. Ele dizia que gostava do Led Zeppelin quando era cabeludo (yes, ele era). Quando comprei um CD do Oasis, falei pra minha mãe que "parece Beatles". "Beatles? Depois da feijoada, ?". É, mais ou menos isso.

Enfim, meio que chegamos nisso. Que estamos ficando velhos. E dizendo que "no meu tempo as músicas eram muito melhores". Mas não é a música que piora, são as pessoas. Elas que pioram tudo. (Do mesmo sentido de armas não matam pessoas, pessoas matam pessoas). Sei que agora tenho um CD com vários MP3 que ouço no carro. 5 dias, 4 horas e 30 minutos de música aqui no micro. Todas ótimas! Todas memoráveis! Todas insubstituíveis. Nossos ídolos não são os mesmos, e as aparências ficam cada dia mais confusas. Mas eu digo, que depois do System of a Down, (pode até ter aparecido) mas eu não vi mais ninguém. E de algum jeito estranho e místico, não somos nem perto de ser os mesmos, mas vivemos como nossos avós.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Antigas - Final

Manual "Como parecer um louco na sociedade moderna"

III- NO DIA-A-DIA

1) No canhoto de todos os seus cheques escreva "Ref.favores sexuais".
2) Pergunte às pessoas de que sexo elas são. Riahistericamente depois que elas responderem.
3) Quando estiver em um drive-thru, especifique que opedido é para viagem.
4) Cante junto na ópera.
5) Vá a um recital de poemas e pergunte por que ospoemas não rimam.
6) Com cinco dias de antecedência, avise seus amigosque você não pode ir à festa deles porque não está noclima.
7) Ligue para o CVV e não fale nada.
8) Quando sair dinheiro do caixa eletrônico, grite.
9) Ao sair do zoológico, corra na direção doestacionamento gritando "Salve-se quem puder, eles estãosoltos!".
10) Na hora do jantar, anuncie para os seusfilhos: "Devido à nossa situação econômica, teremos demandar um de vocês embora".
11) Todas as vezes que você vir uma vassoura,grite "Amor, sua mãe chegou!".

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Antigas Parte 2

Manual "Como parecer um louco na sociedade moderna"

II - NO TRABALHO

1) No seu horário de almoço, sente-se no seu carroestacionado, coloque seus óculos escuros e aponte umsecador de cabelos para os carros que passam. Veja seeles diminuem a velocidade.
2) Insista que o seu e-mail é:Xena.Princesa.Guerreira@nomedaempresa.com.br ouElvis.O.Rei@nomedaempresa.com.br
3) Sempre que alguém lhe pedir para fazer alguma coisa,pergunte se quer que fritas acompanhem.
4) Encorage seus colegas de sala para fazer uma dançade cadeiras sincronizada com você.
5) Coloque a sua lata de lixo sobre a mesa eescreva "Entra" nela.
6) Desenvolva um estranho medo de grampeadores.
7) Coloque café descafeinado na máquina de café portrês semanas.
8)Quando todos tiverem superado o vício da cafeína,mude para expresso.
9) Sempre que alguém lhe falar alguma coisa, respondacom "isso é o que você pensa".
10) Termine todas as suas frases com "de acordo com aprofecia".
11) Ajuste a brilho do seu monitor para o que o níveldele ilumine toda a área de trabalho. Insista com osoutros que você gosta desse jeito.
12) Não use pontuações.
13) Sempre que possível, pule em vez de andar.
14) Descubra onde o seu chefe faz compras e compreexatamente as mesmas roupas. Use-as um dia depois que oseu chefe usá-las. Isso é especialmente efetivo se o seuchefe for do sexo oposto.
15) Mande e-mails para o resto da empresa para dizer oque você está fazendo. Por exemplo: "Se alguém precisarde mim, estarei no banheiro, na cabine 3".
16) Coloque uma tela de mosquitos ao redor do seucubículo. Toque um CD com sons da floresta durante o diainteiro.
17) Faça seus colegas de trabalho lhe chamarem pelo seuapelido, "Duro na Queda".
18) Fale para o seu chefe "não, são as vozes na minhacabeça".

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Antigas....

Recebi esse e-mail há mil quinhentos e oitenta e três anos. E ainda continuo rindo. Divirtam-se! :)

Manual "Como parecer um louco na sociedade moderna"

I - NO ELEVADOR

1) Quando houver só uma pessoa no elevador, de umtapinha no ombro dela e finja que não foi vc.
2) Aperte os botões do elevador e finja que eles dãochoque. Sorria e faça novo.
3) Se ofereça para apertar os botões para os outros,mas aperte os botões errados.
4) Segure a porta e diga que está esperando por umamigo. Depois de um tempo, deixe a porta fechar ediga: "Olá Zé. Como vai você?"
5) Deixe cair sua caneta e espere até alguém seoferecer para pega-lá, então grite: "Ei, é minha!"
6) Traga uma câmera e tire fotos de todos no elevador.
7) Traga uma mesa para dentro do elevador e quandoalguém entrar, pergunte se marcaram hora.
8) Leve um Banco Imobiliario e pergunte para as pessoasse elas querem jogar.
9) Deixe uma caixa no canto, e quando alguém entrar,pergunte se elas ouviram um tique-taque.
10) Finja ser uma aeromoça e revise os procedimentos deemergência com os passageiros.
11) Pergunte: "Você sentiu isso?"
12) Fique bem perto de alguém, fungando seu cangote devez em quando.
13) Quando a porta se fechar, fale: "Tudo bem. Nãoentrem em pânico. Ela abrirá novamente".
14) Mate moscas que não existem.
15) Diga às pessoas que vc pode ver sua aura.
16) Grite: "Abraço grupal", então force-as.
17) Faça caretas dolorosamente enquanto bate na suatesta e murmure: "Calem a boca, todos vocês, calem aboca!".
18) Abra sua pasta ou bolsa, e enquanto olha dentro,pergunte: "Tem ar suficiente aí dentro?"
19) Fique quieto e parado no canto do elevador,encarando a parede.
20) Encare outro passageiro por um tempo, e grite comhorror: "Você é um deles!", e recue devagar.
21) Coloque uma marionete na mão e use-a para falar comos outros.
22) Escute as paredes do elevador com seu estetoscópio.
23) Faça barulhos de explosão quando alguém apertar umbotão.
24) Encare outro passageiro por um tempo, efale: "Estou usando meias novas".
25) Desenho um pequeno quadrado no chão com giz, e digapara os outros: "Este é o meu espaço".

(...) Continua amanhã!

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Curtas


E eis o tão aguardado texto da série de dificuldades de se viver sozinho nesse país livre e democrático.
Eis que cheguei em casa ontem, já sabedor das tarefas da noite. Deveria por os panos de chão que havia deixado de molho na noite anterior na máquina de lavar. Tarefa simples, certo? Certo. Mas é comigo, e vocês já sabem... Nada é fácil.

Enfim, coloquei os panos lá e fui tirar os lixos, lavar a louça, quando ouvi um barulho suspeito. Parecia uma cachoeira. Com certeza, você já se banhou na queda de uma cachoeira, certo? Eu também. Mas quando é na sua área é foda. Aí pensei, normal, é só água. Pego um pano aqui e... e.... e.... e.... OH, FUCKING WAIT!!!!!!!!!!!!!!!!! Todos os panos de chão estavam lavando. Então peguei o piso do banheiro e uma outra toalha. E enxuguei alguma coisa. Passei o rodo. Depois terminou a lavagem, e 2 panos foram direto da máquina pro chão. E tudo ficou seco. E os panos ficaram sujos novamente.

Porque.... bem, vocês sabem. A vida é agora, né?

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Sobre Palhaços e Pugilistas


Sim, todos aguardam emocionantemente que eu comente como é a vida sozinha na minha própria casa. Mas para quebrar os protocolos clichés, vamos falar de política. É, "everybody else is doing it, so why can't we?".

Mais especificamente, vamos falar da propaganda eleitoral gratuita. Me recordo de tempos atrás, quando era uma simples criancinha que acriançava, e detestava o horário político. Não sei se os caras entenderam que aquilo é chato e resolveram assumir a palhaçada que é a política no Brasil, ou se fui eu que agora entendo o que eles falam e acho hilário. Mas agora eu não desligo a TV. Eu assisto realmente querendo saber das propostas dos candidatos para escolher em quem votar. E votar é cada vez mais difícil.

Uma das coisas que mais faço atualmente é olhar nos olhos dos caras que estão lá falando. Se os olhos ficam se mexendo buscando desesperadamente o texto automático e pronto do tele-prompter, já não voto. Isso é coisa de amadores! A Dilma lê! O Serra não. A Marina também não. Mas frescuras a parte, sério que acho importante que o que quer que os caras falem, eles falem mesmo, ainda que seja decorado. Porque, convenhamos. Eles não estão dando notícias alheias a seus conhecimentos. Eles estão apenas compartilhando com os eleitores propostas ou xingamentos os quais eles acreditam ser relevantes para que pesemos e votemos corretamente. Então, se te pedissem para mandar uma mensagem para todos os brasileiros, falando bem de você, você mandaria seu assessor escrever o texto? Ou diria algo que lhe viesse à cuca?

Mas esses são os gigantes. Pior ainda são os malditos candidatos a deputados. O Tiririca é muito engraçado. Eu ri. Mas votar nele é uma loucura sem tamanho. Votar no Maguila também. Votar no Maguila depois de ele bater num saco de pancada vestido de Tiririca, alertando à população que "política não é palhaçada" é, na melhor das hipóteses, palhaçada. (A favor de ambos, eles não lêem o tele prompter!). E vejam, os deputados tem cerca de 15 segundos para pedir os votos à população. Será possível que não são capazes de decorar um texto? Tem gente que até para ler o nome e número a porcaria do tp. O Maluf não lê, porque é um cara-de-pau que engana todo mundo há anos. Eis o macaco velho.

E hoje em dia tem tanto micro-partido que nem dá pra entender as alianças. E, senhor TRE, sei que a democracia é linda, mas acho que exigir algum grau de instrução dos candidatos seria bacana. Superior Completo, segundo grau, pelo menos alfabetizado seria bem legal. Assim não precisaríamos nos deparar com palhaços, pugilistas, mulheres frutas, as outras que pedem pra gente votar "com prazer", imitadores(as) do Eneas (que descanse em paz). Política é coisa séria, rapaziada. Nós, leitores desse blog, temos que mudar o Brasil. E o primeiro passo é acreditar que podemos melhorá-lo ao exercer nossos direitos de cidadãos com cidadania. É entender que algumas idéias do Plinio podem soar absurdas, mas são coerentes. É conseguir separar a graça da desgraça, e panfletar ao mundo que votar porque é engraçado acaba fodendo tudo. Enéas teve 6% dos votos quando se candidatou à presidência. Tens noção do absurdo descabido disso? 90% dos que votaram nele, nem sequer sabiam do que se tratava as propostas. Mas ele tinha aquela barba demodê, aquele óculos garrafal e hey: o nome dele era E--AS! Punto i Basta!

É isso turminha. Votem bonito! Vamos consertar o Brasil (step one), pra depois salvar o mundo. Meu sobrinho que pediu. E ele tem 3 aninhos. Buteco de Segunda. A gente faz política por aqui.

domingo, 8 de agosto de 2010

Um Domingo Qualquer


Ok, vamos aos fatos. Todo mundo está careca de saber que o dia dos pais, das mães, dos irmãos das baby-sitters, dos contabilistas, dos entregadores de pedidos do Submarino, são apenas datas comerciais com fins meramente lucrativos. E todo esse apelo funciona que é uma beleza. Mas, mesmo ciente disso, tem sempre uma parte de mim que queria sofrer mais do que sofro quando chega no dia dos pais. Só mais um dia. Que acontece todo ano. Segundo domingo de agosto. Um domingo qualquer.

Mas o problema não sou eu. O problema é a mídia. O problema, ou a culpa, é do sistema. É das mensagens de todos os programas, anúncios informativos, e-mails, redes sociais, todo mundo lembrando do dia que eu não tenho mais. Só mais um domingo de agosto. Com sorte, não estarei de ressaca. Hoje, de fato, não estive. Acordei cedo, e por isso dormi cedo ontem também. Fui a uma cerimônia religiosa pela manhã, confraternizamos, o anfitrião fez tudo aquilo que as cartilhas mandam não fazer (irado! Mano! Muito rock and roll!). Ele estava feliz! E não tinha problemas com isso. Alguém poderia ter?

Logo depois passei em casa pra dar uma relaxada, trocar de roupa. E em seguida seguir pra casa da minha irmã, que estava fazendo um almoço para as crianças (com direito a hamburguer e hot-dog na mesma refeição! Meus sobrinhos são carinhas de sorte! :) ). Aí fui lá, conversamos, comemos, discutimos aqueles assuntos familiares delicados. E tudo estava bem. Aliás, tudo está bem. E aí eu estava cansado e vim pra casa. Entrei aqui, dei umas zapeadas nos e-mails e nas rede sociais viciantes dos infernos. Assisti metade do jogo do Parmera - porque o do Curinthia não estava passando. Um parêntese - pode ser esse aqui mesmo ( ) - estou adquirindo uma facilidade incrível de dormir durante os jogos de domingo à tarde. Deve ser porque já passei a minha cota de jogos de futebol da vida nas últimas copas. Ou porque tenho trabalhado demais. Ou porque o campeonato brasileiro realmente dá sono (acho que é esse aí!).

Depois, minha mãe chegou em casa... veio no computador e o blog estava aberto. Ela leu o post anterior e veio me perguntar se eu precisava me internar ou se já tinha passado. " já passou, estava apenas nervoso". Ela riu e foi cuidar das suas coisas. Aí comecei a ver o Fantástico. Fazia muitos anos que eu não via. Porque ou estava fora no Sagrado Conglomerado Sânscrito do Chocolate Quente ou estava vendo o Pânico. Mano! Fantástico é péssimo! Tristeza, drogas, vida bandida, matérias fracas e rasas. Deveriam mudar o horário com o Serginho Groisman, que é bem mais divertido de se ver.

E então não quis mais ver. E eis que chegamos aqui. Tudo isso porque, hoje é dia dos pais. Eu não tenho um. Aliás, eu tenho um. Só que ele não está mais por aqui. E eu queria que nesse dia eu me lembrasse daqueles almoços e longas conversas ou daquele almoço em que... ou aquele outro que... mas não me vem nada. Aqui em casa, o dia dos pais era só mais um dia. Um dia que ele ganhava algum presente e ficava feliz. E a gente almoçava ou sei lá o que a gente fazia. Foram poucos e já faz muito tempo. A questão é que, como eu já disse em algum outro post, eu troco idéia com meu pai frequentemente. As vezes ele responde, as vezes ele só ouve. Mas ele ainda me inspira e me ensina de montão. E é isso. Sem choros, sem dramas. HOJE NÃO! HOJE NÃO! (by Cleber Machado). Hoje não mesmo! :) Feliz dia dos pais, Velho! Se cuida por aí!

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

$#¨%&%¨%&#@*%$#@¨%$#@¨$@#(*



Esta lá na cartilha. Está lá no manual. Todo mundo parece saber disso. Todos estão felizes em viver assim, e panfletar sobre os benefícios de fazer o que todo mundo faz, como todo mundo. Menos eu. Eu vou nas entrelinhas buscando meios menos estúpidos de satisfazer aos prazeres da carne e da mente, busco um sossego que não há.

Eu escrevo torto em linhas difusas. Eu vejo fogo onde não se ve problema algum. Eu discordo do jeito que as coisas são. Eu quero ver e ir além, eu quero me apropriar do além. Sentir como se as máquinas de chatice, todas as cartlihas e manuais desaparecessem de uma vez. Quero saber do novo, novas maneiras, novas asneiras. Quero cheirar o odor do demérito tão de perto que sairão lágrimas de torpor. Quero magoar a tudo e a todas as convenções, quero que se foda tudo o que for hereditário. Quero que os códigos de conduta de tudo explodam em fogos de artifício de reveillon de praia.

Quero fazer errado, ainda que seja certo. Quero me desconectar da vida e da parte chata, quero as coisas do jeito que eu quero. Só porque eu quero. Quero mergulhar nos abismos da juventude. Quero descontrair um pouco só pra sacanear. Quero ver os outros rindo menos de mim, e mais da puta que os pariu. Quero que meus problemas não sejam resolvidos. Sejam lançados ao fundo do Oceano. Quero nunca mais ter que pensar nada, nem abrir os olhos nem fazer nada com atenção demasiada. Quero descobrir que existe uma verdade inerente a tudo o qeu eu faço. Quero provocar maresias de confusão nas pessoas, quero que os animais ocupem seu lugar na terra. Quero que a terra seja engolida pelos animais. Todos eles, toda ela. Não quero que sobre nada para se preocupar.

Vou partir pro mundo das idéias chatas bagarai, vou discursar sobre o fim do mundo nas próximas horas, vou resolver as pendências com sacarina. Quero grampear as certezas e mandar em 6 vias por fax para a Receita Federal Internacional do Cu, as vezes da uma vontade louca de gritar com o envelope do banco que acaba de chegar. Tanto pra pagar, tão pouco para que? Paraguaio! Não quero mais me entorpecer de álcool, mas sim de clipes. Quero ouvir todas as piores músicas, apenas para ticar a lista do Outlook que comanda todos meus atos. Quero passar mais tempo com as crianças e esquecer um pouco das regras de conduta de filho da puta que a gente tem que engolir. Quero saber cada dia menos, quanto mais menos. Quero menos de tudo até que não sobre nada em lugar algum. Quero sumir desse antro de gente doida e voltar pro mundo daonde eu devo ter saído. Deve existir algum lugar do universo cheio de mim's. Lá, sou amigo do rei. Lá, nada me impediria de ser eu mesmo e seguir adiante. Sem normas, sem coisas que são assim porque são. Lá, racionalizações são a verdade. E a verdade, portanto, é apenas uma mentira que você cria e é tão boa, mas tão boa, que até você mesmo acredita.

Lá, naquele lugar, meu time é sempre campeão, vice e terceiro. Lá, ganhamos todas as medalhas e a única frustração é a falta de frustração. Lá, as coisas aparecem e se vão na velocidade do pensamento. Lá, a rádio toca o que você quer, na hora que você quer. Nesse lugar, do pico da onde eu vim, pessoas acreditam e foda-se. Ou duvidam e foda-se. Ou fogem e foda-se. Ninguém precisa, além de se fuder, quando se fode, aguentar o contrato da cartilha de filho da puta que rege o mundo. To the good, to the bad, to the ugly.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

E na hora do almoço...


- Fala xará, tudo certo?
- Tudo bem patrão. O que vai hoje?
- Costela.
- Tem suína e carnina.
- Tem o quê????
- Suína e carnina. E aí, qual vai?
- Pensando bem, como é que está a maminha hoje?

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Analfabeto Visual




Olá meus queridos e caros leitores. Acabou a Copa, o Brasil se deu mal então acabou os motivos pros motivos festivos brazucas do blog. Então, resolvi mudar o layout. E foi então que cheguei à conclusão: eu não sei fazer isso. Mesmo. De verdade.

Depois de perder algum tempo tentando fazer do Blog a coisa mais chamativa possível, acabei aceitando um layout pré-fabricado (o primeiro que apareceu na minha frente) e pronto, acabou. Até mesmo porque, esse é um blog intensamente de conteúdo e a imagem não faz diferença alguma.

Leiam e diviram-se. Imagem não é droga. Pratique.

Att,

A Direção

domingo, 25 de julho de 2010

O que?


- Marco Antônio, o que você quer?

- O que, o que eu quero?

- Estou perguntando.

- E não tem uma resposta pronta que eu deveria dar?

- Oi?

- Vai cair na prova?

- Que prova?

- Não sei. Acho que só tenho que saber o que vai cair na prova.

- Prova? Por que você acha isso?

- Essa cai na prova?

- Como assim? Essa pergunta se relaciona a outra, então não é nova. Faz parte do conjunto.

- Ah. Então a primeira era a "16 a" e essa é a "16 b"?

- Vamos recomeçar sem pensar em prova?

- Podemos tentar.

- Ok. O que você quer?

- Ir bem na prova!

- Mas não tínhamos combinado que (...)

- Ah, mas se for ficar excluindo as possibilidades, fica cada vez mais difícil. Mais difícil que prova.

- Mas isso prova o que?

- Prova que eu sou bem sucedido nos meus afazeres.

- Não é verdade. Você não sabe fazer quase nada.

- Mas eu sei passar na prova. É a minha função no mundo.

- Quem disse isso?

- Você.

- Foi? Não me lembro.

- Não que você tenha dito. Mas é como eu vejo que você acha que eu deveria fazer. Eu tenho que passar na prova, o resto é resto. Não?

- E aquela parte que você se torna um grande empresário de sucesso, monta uma família e vai esquiar em Bariloche?

- O que é Bariloche?

- Não te ensinaram? Essa não caía na prova?

- Você está exagerando.

- Estou ficando confusa. Mas enfim. Eu vou fazer o almoço. O que você quer?

- De novo?


Moral da história: a gente não sabe o quê a gente come.

terça-feira, 13 de julho de 2010

Copa 2010: Capítulo Final


Olá queridos amigos leitores eventuais e eternos. Colaboradores, amigos e nação boleira desse nosso querido Brasil. Queiram desculpar a demora pelo capítulo final, mas acabei indo viajar, e depois fiquei doente (porque, é como dizem por aí: pobre quando come frango, um dos dois está doente). Enfim, gostaria de agradecer mesmo, de verdade, a participação dos amigos, das pessoas que eu nunca vi mas que acompanharam o blog graças aos tweets da Carol e do Morris. Com sua ajuda, tivemos uma média impressionante de quase 50 visitas diárias desde o início da Copa. Obrigado!

A Copa acabou. E acabou com estilo. Com glamour. Com teste pra cardíacos, preparados pelos professores que projetam as provas do ITA. Tudo começou no sábado, na decisão de terceiro lugar. Esse é sempre um dos melhores jogos da competição! Porque ele não vale nada, mas ainda, vale a última gota de suor para atingir os objetivos que todos querem: vencer seu último jogo numa Copa. Alemanha e Uruguai entraram em campo dispostos a tudo para sair com a vitória. O jogo era aberto, clássico no estilo alemão, e guerreiro, no estilo uruguaio. Nenhum jogo termina 3 x 2 assim, do nada. Muita culpa do goleiro Muslera, mas méritos de Müller que marcou seu quinto gol e se juntou aos artilheiros da Copa. Forlán tambpem atingiu essa marca. E quaaaaase marcou o sexto na última bola do jogo, que poderia levar o jogo pra prorrogação. Mas a bola bateu na trave. Final, Alemanha 3 x 2 Uruguai. E cheiro de dever cumprido.

Todos os olhos estavam atentos então á grande final. Teríamos um novo campeão, com certeza! É a primeira final, desde 1958, jogada entre duas seleções que nunca haviam-se sagrados campeãs. A Espanha nunca havia chegado tão longe. A Holanda já havia chegado em 2, mas nunca havia vencido. Eu estava na praia, curtindo os lances com uma galera boa, dividida entre as duas seleções. O jogo era marcado por muita violência por parte da Holanda, e do toque de bola habitual que fez a Espanha chegar antes da Copa como uma das favoritas. Robben tece a chance para decidir, mas faltou aquilo que eu costumo chamar de "Batistuta Way". Chegou na cara do gol? Chuta no ângulo que não tem erro. No caso dele, Casillas pegou. O jogo terminava em 0 x 0. Meu coração batia a 274 BPM! Pensei que iria enfartar a qualquer momento. Eu torcia sinceramente pela Holanada, e não é de hoje. Pelo Gullit, por Van Basten, por Rijkaard, Por Cruyf que eu não vi jogar, mas meu pai adorava. Pelos irmãos De Boer. Pelos irmãos Koeman. Por Van Der Sar. Na prorrogação, expulsaram Mathijsen. Não achei justo! Antes podia voadora. Na hora de expulsar, foi por um puxãozinho de camisa? Oh, seu juiz! Mas tudo acabou antes mesmo do fim. Quase no fim, pra falar a verdade. Aos doze-minutos-do-segundo-tempo-da-prorrogação. Bola enfiada com perfeição para Iniesta - um dos melhores jogadores da Copa. E finalmente a Espanha chutou pro gol, ao invés de tocar de lado. E a bola escapou de Stekelenburg e estufou a rede.

E gritaram na sala! Rojões foram soltados por todos os cantos. Gritaram em Madri, choraram na praça do museu Van Gogh em Amsterdam. Era o fim. Nada foi feito depois. Sneijder não salvou. Robben não se perdoou. Venceu a Espanha, que jogou tocando de lado e pra frente. Tocando, tocando, tocando, e vencendo na prorrogação, um jogo de heróis. Um jogo sério, mas bonito. Rápido e eficiente, mas cauteloso. Guerreiro, mas comedido. Finalmente, após todos esses anos de promessas, La Furia levou a caneca pra casa! Favorita, de ponta a ponta. Jogando bonito, do início ao fim. Jogando com garra, quando era garra que precisava. Espanha é o nome em 2010! Cheers! E que venha a próxima Copa! A próxima é nossa, é aqui! No estádio do Corinthians! Que venham os gringos! Apaguem-se os rojões, adormeçam-se os gritos e o frenesi. Chega de Copa por ora, vamos voltar à vida que é vivida fora das quatro linhas. Novamente, obrigado por sua companhia. Em 2014, espero poder dar relatos ao vivo! Até lá, constinuem com nossa programação normal. Buteco de Segunda. Buteco, sabe? De Segunda.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Alemanha x Espanha


Acertei os finalistas, ganhei doze milhões na bolsa de apostas, estou fugindo pra mongólia!!!! Final, Espanha 1 x 0 Alemanha. Chupa Mathäus!!! Eu já sabia, eu vinha frisando, e Galvão, vai pentear macaco! Não estou mais de férias e totalmente sem idéias de como escrever algo diferente sobre o quinquagésimo oitavo jogo da copa.

Buteco de Segunda, o Puyol arrebentou por aqui.

Colaboração especial: Leandro Mani.

terça-feira, 6 de julho de 2010

Uruguai x Holanda


Chegamos, caros amigos, e quem diria que chegaríamos, às semi finais dessa Copa 2010. E que jogo bonito de se ver, hein? Olha, mereceram estar ali. De um lado, o Uruguai que chegou à semi final da forma mais espetacular que eu já vi: uma defesa do centro-avante na linha do gol, proporcionando um pênalti não convertido, e vencendo na decisão por pênaltis. U-A-U! Já a Holanda, fez um jogo certo para vencer um Brasil desequilibrado e chegar agora, na final.

Sim, meu caros amigos. Após 32 anos, a Holanda volta a disputar uma final. E eu fico muito tranquilo, já que eu já vinha frisando que a Holanda era quente pra essa copa. E que jogaço de futebol que vimos aqui hoje! O jogo era morno no primeiro tempo, toquinhos de lado, o Uruguai indo com força pra cima e a Holanda rolando a bola. E de tanto rolar, ela se ofereceu a Van Bronkhardst (escreve assim?) chutar de muito longe e ir parar na forquilha, sem a menor chance pro goleiro uruguaio. Golaço! E você acha que o Uruguai se intimidou? Naaada!!! Continuaram na ofensiva, indo pra cima, mostraram que não chegaram tão longe à toa. Principalmente por causa de Diego Forlán. Que avançou com a bola e chutou de meia distância para o gol, de esquerda. Frangasso do goleirão! Até eu pegava e com uma mão só. Tudo empatado, e terminou o primeiro tempo.

Após o intervalo, o técnico holandês tirou um volante e colocou Van Der Vaart. Ou seja, era um esquema 4-1-4-1. Maior ofensivo! E aí a Holanda ficou sufocando o Uruguai, e tendo várias chances. Uruguai não tinha muita chance não. Numa dessas, Sneijder bateu da entrada da área. A bola passou por Van Persie (impedido!) que tentou chutar e não achou nada. Nem o goleiro. Gol da Holanda. Gol de Sneijder. Ilegal, mas né? O que fazer? 4 minutos depois, Kuyt foi lançado na ponta esquerda e cruzou perfeito para Robben meter a cabeça NA FORQUILHA DE BAIXO!!!! ( isso existe? =s). Gol da Holanda! 3 x 1. E o Uruguai dava sinais de morte. Principalmente quando Forlán pediu pra sair. Se eu fosse o técnico eu não deixava não. Daí, aos 43 do segundo tempo.. falta pro Uruguai. A bola é tocada de lado e Maxi Pereira chuta bem, com curva! Gol do Uruguai. E aí o jogo ficou dramático. Porque o árbitro disse que ia dar 3 minutos de acréscimo, só que deu 5! Uau!!! Haaaaja coração!
Não houve. Terminou assim mesmo. Final, Holanda 3 x 2 Uruguai. Holanda fica esperando o vencedor de Alemanha e Espanha. Quem será que vai? Vamos torcer pra quem? Buteco de Segunda. A gente.... a gente.... a gente..... THAM! *esse post executou uma operação ilegal e terá que ser rebocado*

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Paraguai x Espanha



Sei que já passou faz tempo. Sei também que eu deveria ter postado antes, assim eu me lembraria melhor dos detalhes da partida. Como passei um fim de semana intenso, vamos ao resumo do resumo, apenas para não passar em branco.

- Começa o primeiro tempo. Paraguai sufoca a Espanha, que não cnsegue jogar o jogo deles de toques mil, e quase entregam o jogo. Mas não entregam. Fim do primeiro tempo.

- Começa o segundo tempo. Passa um tempo e Pênalti para o Paraguai. Cardozo bate, Casillas defende. No contra ataque, pênalti para a Espanha. Xavi Alonso bate, e é gol. Mas o juiz manda voltar. Então, Alonso bate de novo e o goleirão defende. Uau!

- O jogo era equilibrado, rápido, versátil. E num lance de velocidade, Pedro (da Espanha) bateu bem mas a bola foi na trave. No rebote, Villa - o artilheiro da Copa meteu lá dentro. Já eram quase 40 do segundo tempo. E foi fatal. Espanha na semi final. Buteco de Segunda. A gente faz o que pode, por aqui.

sábado, 3 de julho de 2010

Argentina x Alemanha


Bom dia queridos amigos leitores. Primeiramente, permitam-me desentalar um grito na garganta.

CHUPA ARGENTINAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!!!!!!!!!!!

Pronto. Entram em campo duas seleções com 5 títulos mundiais ao total. Um dos maiores clássicos da história da Copa, não somente pelas conquistas, mas também pelos cruzamentos frequentes (fala mais!). Duas finais (consecutivas), jogos emocionantes por aí. Nessa copa, a Argentina despontava como uma das favoritas. Ganhando tudo, fazendo gol impedido atrás de gol com a mão, e o Maradona enchendo o bucho de ego. Mandando ver absurdo atrás de absurdo. E todo mundo, conforme instruções do tio Zagallo, tendo que engolir. No more.

Logo aos 3 minutos de jogo, uma falta lateral para a Alemanha. Schweinsteiger cobrou no primeiro pau, e Müller meteu a cabeça antes da chegada de Otamendi (horroroso!). Gol da Alemanha!!! Não fico feliz assim desde que o conselho de classe me deu 0,5 ponto para eu não bombar o 1º Colegial! No resto do primeiro tempo, Argentina batendo como sempre, a Alemanha esfriava tudo como sempre, mas nada demais acontecia.

Mas foi no segundo tempo que as coisas ficaram boas mesmo. Acho que eram lá pelos 20 minutos, Schweinsteiger destruia todas as jogadas, destruia as chances do Messi encostar na bola, e destruía o sonho do tri-campeonato argentino (NUNCA SERÃO! JAMAIS SERÃO mode: on). E, além disso, construía. Tá jogando bola ese cara, hein? E o Müller também. Numa disputa com Burdisso, o jovem alemão acabou caindo. Mesmo no chão, ensanguentado, dolorido, com as costelas quebradas, deu um passe lindo para Podolsky qe poderia mandar um canudo pro gol. Mas ele tocou para Klose entrar com bola e tudo. CHUUUUUUPA MANCUSO! Maradona programava a entrada de seu genro, Aguero, quando Schweinsteiger driblou uns 4 zagueiros e tocou para Friedrich dividir com o zagueiro, ganhar e meter pro gol. E Maradona, inconsolável, abraçava o genro, já adiantando o que não tinha mais volta. Não havia "mão de deus" que bastasse para virar um jogo daqueles, em apenas 15 minutos.

E não foi só isso não! Ainda deu tempo para Özil fazer linda jogada pela direita e cruzar com perfeição para Klose fazer mais um. O 14º gol dele em copas! Empatando com Gerdt Muller e ficando a apenas um gol de Ronaldo. E ainda tem mais 2 jogos. Perderemos essa também? Não sei. Mas a Argentina, definitivamene, perdeu essa. E vai voltar pra casa nas quartas, igualzinho a gente. Só pra finalizar, caso anda não esteja claro: CHUUUUPA ARGENTINA!!!! Buteco de Segunda. A essa altura, o que vier é lucro.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

É PENTA!!!

ÉÉÉÉÉ AMIGOS!!!


É um dia triste para os vendedores de vuvuzelas, bandeiras e camisas da seleção brasileira, tudo originalmente falsificado. Isso sem falar das lojas de verdade, que vendem essas mesmas coisas, mas falsificadamente originais.



Triste também para os trabalhadores brasileiros, que conseguiam uma folguinha nos jogos do Brasil pra torcer pela seleção e agora terão que abandonar os planos de encher a cara na próxima terça-feira e trabalhar normalmente.


Dia triste também pra mãe do Felipe Melo, que por um bom tempo será constantemente lembrada pelo carinhoso torcedor brasileiro.

Dia lamentável para o mais autista dos anões, o Dunga, que tentou através de um regime totalitário fechado e carrancudo arrancar um futebol convincente dos astros sem estrela da seleção. Burro. Insensato. Chucro. Algum problema? Bundão. Perdeu a chance de mandar um Calaboca Brasil que faria o Galvão virar história.




Dia horrível para o tuiteiro de plantão. O Twitter ficou congestionado perto do fim da partida e até às 14:30h não conseguia respirar sem ajuda de aparelhos. Se ao menos eu falasse baleês...



Mas não é só desgraça que vem com a tempestade. Por exemplo:

Foi um dia comum pra Jabulani. Ela até passou despercebida, sem muita participação especial, sem enganations, sem brilho. Talvez este tenha sido ofuscado pelo repeteco do vestuário do Dunga, que insiste no casaco Herchcovitch para desfilar com mais leveza toda sua arrogância falida.


Foi um dia bom para meu chefe uruguaio, que secretamente torcia contra o Brasil, guardando segredo também sobre seus vastos conhecimentos de futebol enquanto fazia comentários que não faziam nenhum sentido, seja lá qual fosse o esporte em ação, durante todas as partidas do Brasil.

Foi um dia ótimo para Maradona e seus filhos, todos os 40 mijones de adoradores de mullets, alfajores e uma boa tragédia.

Foi um dia melhor ainda para Neymar, Ganso e Ronaldinho Gaúcho, que no apito final correram para a janela mais próxima e gritaram em uníssono um glorioso "CHUUUUUPA DUNGA!" seguido de um atenuador "DUNGA BURRO!". Alma lavada, agora é só esperar secar e está novamente pronta pra uso.

E, sem dúvida alguma, foi um dia sensacional para o cidadão brasileiro. Sim, amigo, voce! Que já havia largado seus afazeres no trabalho, esquecido as crianças na porta da escola, negligenciado seu pet, atrasado suas contas, comprado uma TV de 200` a prestações a perder de vista ou talvez até explodido sua casa por algum descuido idiota.

O problema é que o torcedor brasileiro é ganancioso. É arrogante. É mal acostumado. É esperançoso. É apaixonado. É criança boba e chorona. É brasileiro demais. Ele entrega tudo o que já tem em troca de um sonho novo, sempre maior, mais bonito, como se todo o caminho já percorrido não fosse bom o suficiente.

Calma Brasil. Entra em campo o momento Galvão...

Agora era hora da maturidade. Agora era o momento de sair quieto, mas não chorando. Lamentando, mas não triste. Não alegre, mas com um sorriso de quem sabe que é o dono do jogo. Um olhar de quem sabe que a próxima partida é em casa. Uma piscadinha de te espero lá. Era hora de aplaudir o esforço e a vontade da Holanda de ganhar. De dizer "Parabéns e boa sorte, voce hoje venceu o melhor do mundo. Aproveite a chance." Era hora de dizer "Sou maior, mas agora estou sentado". Agora era a hora da superioridade. Do orgulho de ser. Faltou respeito. Pelos outros e por si mesmo.





Isso ainda falha no brasileiro. Prevalece o poderoso e vingativo CHUPA. Duvida? Espera a Holanda perder.

Hoje voce, zumbi da Copa, está livre. Alforria ao cidadão. Bom pra mim, bom pra voce, sabe porque? Qualquer outro dia eu explico.


Acorda Brasil, que o sonho acabou e é hora de trabalhar. Dorme Torcida Brasileira, que um novo sonho tem 4 anos pra ficar pronto. E é bom que o Brasil tenha trabalhado bastante pra realizá-lo quando voce acordar.

Perdendo ou ganhando, o que não podemos esquecer é que enquanto a Holanda é Tentacampeão, O BRASIL É PENTA!!!

Eu sei que vou apanhar por isso, mas...



Agora VAI MARADONA!!!

Uruguai x Gana


Era um momento delicado para mim, pessoalmente. Porque o mais legal de assistir a todos os jogos da Copa é ir comparando e vendo quem tem time para ganhar do Brasil. Uma vez que o Brasil foi desclassificado, achei que não ia mais ter saco de ver jogos. Mas estava enganado. Começou o jogo, de um lado os sul-americanos bi-campeões, tentando provar-se novamente como força do futebol. Do outro, os ganeses que tentavam representar o continente anfitrião da Copa.


E a bola rolou para mais um embate das quartas de final. Um aspecto bem interessante dos dois jogos de hoje, é que não vimos as malditas "2 linhas de quatro", utilizados por infinitas seleções nessa Copa. E foram quase todas eliminadas. Isso pode representar que o futebol será mais ofensivo e menos tático. Espero que seja, juro. Maior prova disso é a Itália, senhora retranca, que foi eliminada de saída. Chupa retranqueiros! Futebol bonito ainda pode ganhar copa! E nesse jogo da tarde foi assim. Duas seleções desorganizadas, que tentavam fazer a linha de impedimento e quase matavam suas torcidas e os bandeirinhas do coração. Muitos ataques, mas poucas finalizações boas. Já nos acréscimos do primeiro tempo, Muntari mandou do meio da rua. Jabulani mandou lembranças pro goleiro, e entrou no canto esquerdo. Gana 1 x 0 Uruguai.


Na volta do segundo tempo, os uruguaios vinham pra cima com tudo. Forlán tentava, Suarez tentava, todo mundo tentava. Até que numa cobrança de falta, Forlán bateu no contrapé do goleiro. Dizem que foi a Jabulani de novo, mas aí acho que oi falha de Kingson (a quem Cléber Machado insistia em chama de Johnson). Tudo igual, 1 x 1. O que se viu depois, foi uma correria desordenada deliciosa! Um excelente jogo amador sem tática, só com coração. Mas terminou empatado. E vamos pra prorrogação.


[sincero mode: on]. Não vi o primeiro tempo da prorrogação porque tava jogando playstation. Então não sei quem jogou melhor. Mas vi o segundo tempo. E vi o Uruguai caindo aos pedaços. E vi Gana pronta para correr a São Silvestre logo após o jogo. Que preparo! Algumas chances meio desengonçadas de lado a lado, até que aos 30 minutos de prorrogação, o lance derradeiro: cruzamento na área, o atacante ganês cabeceou, o goleirão uruguaio já tinha ido... e Suárez (o atacante, artilheiro, driblador...) tirou a bola com a mão. EM CIMA DA LINHA! AOS 30 MINUTOS DA PRORROGAÇÃO! Foi expulso. E Pênalti, né? Foi la Gyan pra cobrança. Já havia convertido dois pênaltis na copa. [José Silvério mode on]: CORREU, BATEEEEEEEU.... NA TRAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAVEEEEEEE!!!! [José Silvério mode: off]. Fim de jogo.


A decisão seria nos pênaltis, de verdade. E foi lá que brilhou a estrela celeste. O goleiro uruguaio Muslera defendeu dois penaltis (mal-cobrados pá c....). Na última batida, El Loco Abreu, aquele que joga no Brasil.... Correu, bateu, DE CAVADINHA numa decisão por pênaltis. E a copa acabou para os africanos. Uruguai 1 (4) x 1 (2) Gana. Semi-final, Uruguai x Holanda. Buteco de Segunda. Surpreenda-se por aqui você também.

Brasil x Brasil


Enquanto se passavam os minutos finais do jogo contra a Holanda, e as esperanças começaram a se esgotar (antes das unhas), eu comecei a pensar no que deu errado com esta seleção. Lembro que quando perdemos em 2006, eu, junto com outros 179.999.999 de brasileiros, culpei o estrelismo, a falta de comprometimento, a arrumada de meião do Erasmo Carlos (é, a mesma piada), etc.

O Brasil tinha um elenco que poderia muito bem formar duas seleções com chances de vencer uma Copa do Mundo. Constatei que talento nunca nos faltava, e que precisaríamos apenas de uma seleção mais comprometida para vencer novamente. Jóia.

E aí o Dunga foi escolhido para ser novo técnico. Vibrei. Lembrei do cara que dava o sangue (e tirava o dos outros), gritava o tempo todo, lutava, era a cara do Brasil Campeão de 1994. Mas o Dunga técnico era diferente do Dunga jogador. Não estou botando a culpa nele agora. Sempre concordei com ele, quando não escalava os craques que não estavam jogando bem, só pelo nome (leia-se Gaúcho, Adriano, e Pato. Ganso, eu nem comento) quando fechou a concentração para todos (chuuuuupa Globo), acabou com o circo, etc.

Bom, aí começa a copa, campanha excelente do Brasil nas eliminatórias e amistosos, um primeiro jogo estranho mas com vitória, um segundo jogo muito bom, um terceiro estranho com empate, e as oitavas. Ali eu vi o time que poderia chegar até o fim, e passei a ter certeza. Eu já acreditava, mas passei a ter certeza. E, puta falta de sacanagem né, quando a gente começa a ter certeza... FAIL.

Mas então, voltando ao início, começo a pensar no que tinha dado errado com estes caras. Já veio nova explicação: não tinha o corpo-mole de 2006, tinha vontade e comprometimento, mas faltou futebol. Fizemos um gol e começamos a jogar como se estivéssemos ganhando de 3 x 0. E aí faltou equilíbrio quando tomamos um gol e o resto, vocês já sabem. Então já temos a fórmula para 2010, precisamos de jogadores ótimo, e comprometidos. Fácil né? Mas... pensando bem, isso existiu nessa seleção. Sim, existiu. E teve conjunto e teve mimimimimimi.

O que deu errado então?

E aí pensei que o foda de ser o Brasil é isso, a gente fica sempre olhando pros nossos erros, porque somos os melhores, o que quer dizer que se acertarmos, a gente ganha. Simples, mas não é assim. Como se diz, futebol são 11 contra 11 (menos quando vc. tem o Felipe Melo no time - pronto, falei) e as vezes, os outros 11 simplesmente são melhores. Isso sim é simples.

Vale pro meu time, vale pra Seleção Brasileira. E vale pra todo o resto.

Ah, Santo Expedito, aquele nosso acordo ainda está valendo, se a Argentina perder amanhã, ok?

Holanda x Brasil


Não foi a derrota. Nem perto disso, pra falar a verdade. Também não foi o temperamento, ou as intempéries, ou as inconsequências. Não foram os quatro anos de fé, o povo se unindo pouco a pouco, ver a vibração de um povo que vive e morre por isso, assim como a maioria dos jogadores que lá estiveram.

Não é a boca suja do Dunga, a passividade do Jorginho, o erro (único e fatal) de Julio César, as loucuras do Lúcio, a falta de precisão e força do Kaká; aquela falta impossível que o Daniel Alves tentou mandar no fim do jogo, os coices de Felipe Melo, os lançamentos desesperados de Gilberto Silva. Não foi a nulidez de Luis Fabiano, os gritos de Robinho e a indiferença de Michel Bastos. Não é o Juan.

Acho que foi a alegria do Sneijder, a mesma jogada do Robben que ainda funciona, a rapidez, a superação do time holandês. Acho que foi uma jogada inexplicavelmente boa do Felipe Melo que serviria para salvar sua pele, mas as pessoas são o que são. Felipe Melo é um cavalo, e dos burros (o pior trocadilho do blog detected). Foi aquele gol do Robinho e o sangue nos olhos, foi o lindo lance do Kaká. Foi o jogo anterior, e todas as lembranças que me mostravam que poderia dar certo. Vai dar certo!

Mas não agora. Agora, acabou.

Não é como perder pra França em um lance isolado enquanto o Erasmo Carlos* arrumava o microfone na entrada da área. Lá, deu raiva porque não podia dar certo. Aqui, dá tristeza. Porque quase deu. Quase. Qua... E termina a história de mais um grupo, uma família sem pai nem mãe, criado a curtas rédeas por governantas carrancudas. Tenho pena do que vão falar do Dunga, mas não foi culpa dele. Os dois culpados por essa derrota, especificamente, foram despreparo psicológico e o Julio César. Alguém vai contar isso pra ele? Buteco de Segunda. A copa ficou mais sem graça por aqui.

* Nome alterado porque joga no Corinthians

terça-feira, 29 de junho de 2010

Espanha x Portugal


Beeeem meus caros amigos! A Copa está chegando ao fim! E minha paciência e boa vontade também! Principalmente porque tenho prazos a cumprir e amanhã se encerra mais um deles. Em função disso, não pude acompanhar com atenção ao magnífico duelo ibérico apresentado na tarde de hoje.

Resumindo, o Pepe bateu, Fernando Torres não jogou nada, Cristiano Ronaldo reclamou um bocado, Coentrão foi o melhor de Portugal e Villa fez mais um gol para sua conta particular: é artilheiro da Copa até o momento junto com Higuain e Vittek e acho que só. Final, Espanha 1 x 0 Portugal. E agora, José? Teremos dias de folga da Copa (iupi, agora posso ir trabalhar! ). Então é isso queridíssimos leitores. Brexa que é Hexa Brasil!!! Buteco de Segunda. A gente crê por aqui.